O Grupo Energisa, um dos maiores do Brasil em distribuição de energia elétrica, apresentará na Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG), no dia 24 de abril, o Rio Pomba Valley. O projeto tem como objetivo transformar a Zona da Mata em um hub de tecnologia e audiovisual, duas das maiores cadeias produtivas da “Nova Economia” em todo o mundo. “O estado de Minas Gerais já é conhecido como um dos principais centros de inovação do Brasil. Desejamos mostrar que Cataguases e cidades vizinhas têm tudo para ser também uma região capaz de acolher empresas de base tecnológica e audiovisual, com potencial de crescimento em nível nacional”, afirma o presidente do Grupo Energisa, Ricardo Botelho.

Para a criação do hub de economia criativa e inovação, já existem várias iniciativas em andamento. Em janeiro, a Energisa inaugurou em Cataguases – cidade onde a empresa nasceu há 114 anos – uma fábrica de softwares própria, criada para atender as demandas de Tecnologia da Informação de todas as empresas do Grupo. A região também conta com a Central de Serviços Energisa (CSE), 5º maior centro de serviços compartilhados do país, inaugurado há dois anos. Além disso, desde 2010 a companhia fomenta a produção do Polo Audiovisual da Zona da Mata, por meio dos mecanismos das Leis de Incentivo à Cultura, Estadual e Federal.

E no dia 24 de abril, o Rio Pomba Valley é foco do programa Invista Mais, da FIEMG, que cadastra fornecedores de inovação e sustentabilidade e facilita o acesso de grandes empresas a esses potenciais fornecedores. Para atrair empreendedores, o painel do Rio Pomba Valley será gratuito e ocorrerá paralelamente a uma rodada de negócios com a indústria mineira organizada pela FIEMG, que tem como objetivo aproximar o Grupo Energisa de fornecedores de produtos e serviços do estado.

No painel do Rio Pomba Valley serão debatidas as frentes indutoras para desenvolvimento da região: tecnologia, audiovisual e qualificação profissional. Serão discutidos tópicos, como as parcerias e associações necessárias ao crescimento do projeto e as oportunidades para que este ambiente de inovação se estabeleça de forma sustentável. Uma ação que também amplia oportunidades envolvendo outros segmentos, em especial, todo o ecossistema do turismo, seja cultural, educativo, ambiental ou de negócios no estado, na direção desta “Nova Economia” de recursos inesgotáveis, solução e perspectiva importante para desenvolvimento sustentável de Minas Gerais.

“Como empresa âncora, o maior grupo privado de capital nacional do setor de energia elétrica do país, podemos alavancar muitas oportunidades. Chegou a hora de unir forças e fomentar ainda mais este novo território de inovação em nosso estado, atraindo novos empreendedores, ampliando a formação e a qualificação profissional, articulando potentes e novos empreendimentos, capazes de gerar emprego, renda e impactos relevantes na economia e no desenvolvimento local”, afirma Ricardo Botelho.

Publicação Original


0 comentário

Deixe uma resposta