Muito além da telemedicina, a busca pela praticidade no atendimento realizado com qualidade, para o público B2B e B2C é o foco do Conecta Médico. A jornada pré e pós consulta realizada 100% on-line é um diferencial com otimização de tempo, integração digital a analógica, valorização dos médicos e profissionais da saúde e acesso aos produtos farmacêuticos. A startup recebeu um aporte, de valor não divulgado, da Interplayers e visa o desenvolvimento do omnichannel na empresa, que já conta com 20 colaboradores diretos e uma rede de 5 mil profissionais credenciados, entre médicos e outras especialidades.

A startup surgiu oficialmente em 2018, após a percepção da necessidade de follow-up e orientação de pacientes atendidos na clínica do Dr Rodrigo Kikuchi, e até então, era apenas um produto digital dos atuais sócios da empresa, André Neves e Marcio Nagato. Em 2019, com o auxílio do pós-graduado em economia da saúde e atual CEO da empresa, Carlos Pappini, o projeto tornou-se independente e arquitetado para o novo conceito de telemedicina.

“Nós otimizamos a jornada digital integrada com a off line, gerando uma plataforma mais humanizada, com soluções de consulta e exames, e possibilidade de acesso às medicações para o paciente. Esse modelo gera acesso e desfecho clínico, com sustentabilidade de previsibilidade aos gestores de planos de saúde, além de incluir oportunidades para que a cadeia farmacêutica, hospitais e clínicas possam disponibilizar seus produtos e serviços diretamente”, conta Pappini.

Plataforma gratuita e white labels

A Conecta Médico atua com modelo de marketplace, onde médicos e pacientes interagem para agendamento, pagamento e realização de consultas. A plataforma é 100% gratuita para médicos e pacientes, contendo monetização por um espaço inédito de mídia para a indústria farmacêutica. “Percebemos que em demais plataformas, a consulta era realizada online, porém, o paciente não tinha direcionamento sobre a aquisição dos medicamentos prescritos e também com outros serviços como agendamento de exames e até monitores clínicos à distância. Sendo assim, nos esforçamos para direcionar uma experiência completa e mais segura até mesmo no pós consulta”, explica Pappini.

A startup também possui os projetos B2B, onde foi desenvolvida uma plataforma white labels para indústrias farmacêuticas, redes de drogarias, planos de saúde e demais empresas do setor. “Vale ressaltar que para cada projeto temos uma modelagem personalizada em termos de layout, funcionalidades e protocolos clínicos, estruturada em um modelo de tecnologia exclusivo, centrado em um hub onde os profissionais atendem os pacientes, indiferente da origem da demanda do contratante institucional”, destaca o CEO.

Futuro da telemedicina

A crise envolvendo a quarentena, ressaltou o uso de telemedicina, porém, a perpetuidade da utilização é algo a ser trabalhado de acordo com os serviços disponíveis e a cativação dos públicos. “Estamos em nosso segundo ano de atuação e entender as necessidades tanto dos médicos quanto dos pacientes, tem sido um grande diferencial para atender o almejado, otimizando tempo com qualidade”, ressalta Pappini.

Ainda, com o novo aporte, a perspectiva é que a Conecta Médico cresça 400% do faturamento nos próximos três anos, além de ampliar suas aplicações em tecnologia, comercial, marketing e fluxo de caixa.

“Estamos lançando dois produtos: nossa plataforma de consultas de pronto atendimento e as linhas de cuidado para diabetes, hipertensão e doenças respiratórias. Estas decisões foram fundamentais para as perspectivas futuras da empresa e também o fechamento com nosso novo sócio estratégico”, revela o CEO.

Foto em destaque: Carlos Pappini, CEO da Conecta Médico.


Quer acompanhar de perto todos os investimentos no ecossistema de startups? Siga as redes sociais Startupi e acesse nosso ranking de investimentos do mês.

Publicação Original


0 comentário

Deixe uma resposta