* Por Elber Mazaro

Chegou a hora de voltar com
os artigos. Desde o ano passado fiquei engajado em um projeto de conteúdo sobre
Liderança e Gestão de Pessoas, que vai trazer muitos artigos para este nosso
espaço, mas fez com que eu desse um tempo até agora.

Curiosamente retorno
escrevendo sobre algo que aconteceu recentemente e tem muita frequência na vida
dos executivos e empreendedores, ao invés de iniciar a série que vai explorar o
conteúdo que preparei nos últimos meses. 
Vamos falar um pouco sobre a preparação para momentos importantes.

Na vida dos executivos, dos
empreendedores e dos profissionais, nem sempre o momento que antecede um evento
ou um acontecimento importante, recebe a devida atenção.

O fato que chamou minha
atenção para esta preparação, foi uma conversa com meu filho que iria
participar de exames orais na escola e não queria ir com o padrão de roupas
recomendado, terno ou pelo menos esporte fino, com paletó.

Peguei-me compartilhando uma
lição que aprendi durante minha carreira profissional, onde vivenciei vários
eventos importantes, desde encontros com o governo, ou reuniões com o CEO da
empresa, ou negociações de milhões com super executivos e até palestras para
mais de mil pessoas. Aquelas situações onde bate um frio na barriga, um pouco
de nervosismo e ansiedade.

Aprendi e compartilho aqui,
algo que não é segredo, ou seja, a preparação é fundamental tanto para o
resultado final quanto para o seu controle emocional.

Quanto melhor preparado, mais
seguro e confiante você se sente, e mais focado no que interessa você estará
(imagine o empreendedor na frente de quem decide de um investimento, ou do seu
principal cliente).

Eu quero falar um pouco além
da preparação do conteúdo, de sua qualidade e profundidade, do seu Capital Intelectual,
como já discutimos em outros artigos.

A primeira dica que passei
para meu filho e para muitos clientes da mentoria em gestão e planejamento de
carreiras, é para você entender quem é seu interlocutor, o que ele tem como
objetivo, como ele se preparou para o mesmo evento e como você pode minimizar
os riscos de algo dar errado com os presentes no evento.

Então pedi para meu filho
descrever quem seriam os professores que estariam nos exames orais. Será que
eles estariam de terno (os homens) ou com vestidos e roupas mais formais, as
mulheres? Então o que eles pensariam ao ver alguém com roupas mais informais?
Também seria fácil levantar com os alunos mais veteranos como foram os exames
dos anos anteriores e como os professores se portaram.

Pensar como seu cliente,
investidor, audiência, etc, ajuda a se preparar para o evento importante e na
dúvida, para minimizar o risco, vá pelo padrão mais elevado.

Voltando no exemplo do meu
filho, se um aluno aparece de terno, isto indica que ele se preocupou com o
evento, se preparou até na seleção da roupa, a ponto de decidir vestir algo
fora do seu costume, para causar uma boa impressão (claro que o terno deve
estar limpo, passado e de preferencia ser discreto). A primeira impressão que
ficará, será positiva e minimizará o risco de ser interpretado como alguém que
não está dando valor ao exame, indo demasiadamente “relaxado”.

Eu mesmo quando vou dar aula
nos cursos de MBA, sei que vou ser avaliado e que a roupa que visto pode
influenciar nesta avaliação dos alunos, até de maneira inconsciente, por isso
sobriedade e neutralidade costumam ser minhas escolhas, e como exemplo, não uso
calça jeans. Isto para alguns parece bobeira, mas para mim é minimizar riscos
desnecessários (de julgamento) e me preparar adequadamente.

A outra dica de preparação
que dou e que vale para todos os níveis e eventos, é: domine a regra e o
ambiente.

Existem regras para a maioria
das situações, algumas formais e outras são mais costumes e protocolos
informais. Quanto mais você dominar a regra e o ambiente, mais preparado estará
para o momento importante e assim minimizará os riscos e poderá fazer bem feito
o que deve ser feito.

Voltando
ao exame do meu filho, como era um exame com padrão internacional, existe um
manual grandinho que descreve todas as regras para o tal teste oral, não só o
conteúdo que vai ser exigido, mas os tempos, a dinâmica e até a roupa. Muitos
não se dão o trabalho de ler por completo a regra. Preguiça?

Percebi que os jovens não
gostam muito das regras e portanto acham que ela é flexível e nem sempre se
preocupam muito com ela, sem perceber que isto pode fazer toda a diferença.

A regra do exame dizia que o
traje deveria ser no mínimo esporte fino, e recomendável terno / formal, e além
disso, também estava descrita a possibilidade de um auditor do exame
internacional aparecer e participar de surpresa.

Os professores até poderiam
flexibilizar a exigência, mas que tal se aparece um auditor, que nem fala
português, para acompanhar o exame, com a regra debaixo do braço e uma roupa
bem formal?

Há muitos anos atrás eu
trabalhei com licitações públicas, a empresa onde eu atuava foi a primeira a
vender computadores de marca para um empresa pública em São Paulo, e uma das
nossas virtudes era o domínio das leis e das regras, que não eram poucas, e
regiam o processo licitatório. Ganhamos muitos projetos desclassificando concorrentes
que não se atentaram a pequenos detalhes da regra / lei, quando preparam suas
propostas. Exemplo: o prazo de validade de certidões.

Não quero pregar o rigor e o
respeito total às regras, como um purista, mas até para você descumprir um
regra é bom conhecê-la por completo e entender as consequências, caso contrário
você pode ter uma surpresa desagradável.

O último aspecto que desejo
destacar é o domínio do ambiente. No exame do meu filho a pergunta foi, em que
sala iria ocorrer, com que organização de mesas e cadeiras, e o ar condicionado
estaria funcionando?

Investigando como seria o
ambiente, durante a preparação para o exame, meu filho descobriu que o ar
condicionado não estaria funcionado porque o teste oral teria o áudio gravado e
o ruído do ar atrapalharia a gravação.

Resumindo, a sala estaria bem
quente e poderia ficar desconfortável um gravata apertada e o próprio paletó, e
por isto seria possível combinar antes alguma flexibilização na exigência do
padrão das roupas e assim alinhar as expectativas com todos os participantes.

Também pensamos onde se
poderia colocar o paletó se fosse sugerido que retirasse o mesmo devido ao
calor. Identificamos que haveria água, mas estaria acessível para os
professores e devido ao tempo do exame não estaria disponível para os alunos,
que pela regra também, não deveriam levar garrafinhas, então a preparação pedia
hidratação e ida ao banheiro antes do início do exame. Eu sempre fazia isto
antes de palestras e reuniões importantes, minimizando o risco de interrupções
indesejadas nos eventos críticos.

Outro
dia, um amigo me pediu para eu falar com seu filho que não estava conseguindo
passar pelas entrevistas para seu primeiro emprego. Compartilhei as dicas sobre
uma boa preparação, como conhecer o interlocutor e suas expectativas, minimizar
os riscos, dominar a regra e o ambiente, como algumas das recomendações e
felizmente e para minha sorte, ele conseguiu poucas semanas depois. Quando me
deu a notícia e o feedback, disse que as dicas tinham feito toda a diferença.

Espero
que estas recomendações sejam úteis para você também, como um lembrete ou um insight
para o seu próximo momento especial, e que você seja bem sucedido.

Você está preparado?


Elber Mazaro - Espaço do Executivo

*Elber Mazaro é assessor/consultor, mentor e professor em Estratégia, Tecnologia, Marketing, Carreiras/Liderança e Inovação/Empreendedorismo. Atua há mais de 25 anos no mercado, liderando negócios no Brasil e na América Latina. Possui mestrado em Empreendedorismo pela FEA-USP, pós-graduação em Marketing e bacharelado em Ciências da Computação.

Publicação Original


0 comentário

Deixe uma resposta