A Oxigênio, aceleradora da Porto Seguro, lança nesta semana um novo modelo de seu programa de aceleração. Mauricio Martinez, gerente de Pesquisa e Desenvolvimento da Porto Seguro e Oxigênio Aceleradora, conversou com exclusividade com o STARTUPI e explicou detalhes sobre as novidades.

“Observando as movimentações que o ramo de startups apresenta, percebemos que esse novo modelo pode ser extremamente vantajoso para as empresas”, explica o executivo. Agora, startups que já estejam em fase de tração poderão contar com facilidades importantes para o desenvolvimento de suas atividades por meio da Oxigênio.

Serão até 10 startups selecionadas por ciclo – sendo dois ciclos por ano, com duração de quatro meses cada -, e as empresas participantes receberão créditos em consultorias jurídicas, designer, growth, desenvolvimento e assessoria de imprensa, além de créditos em nuvem (AWS, Google e IBM), plataforma de contratação de desenvolvedores e vouchers de desconto com parceiros. De acordo com o gerente, a Porto Seguro está fechando parcerias com grandes referências nos mercados de customer success, CRM, jurídico e design para este novo modelo. “Isso tudo sem prejudicar o cap table dessas startups. Percebemos que o principal foco das empresas dentro do programa é gerar negócio com a Porto Seguro e utilizar esses grandes cases como força de venda para outras grandes corporações”, diz.

Uma outra novidade desta edição é que, a partir de agora, a aceleração da Oxigênio será equity free, ou seja, startups não precisam abrir mão de nenhuma participação societária para serem aceleradas. Isso significa que o programa agora abre portas para startups em diferentes estágios, que estejam ou não captando investimentos.

Anteriormente, a Oxigênio investia US$50 mil diretamente e US$100 mil em smart money. Agora, o valor será de R$ 600 mil por startup. Hoje, também é possível que as startups permaneçam no espaço da Oxigênio por 12 meses, evitando gastos com despesas com escritório.

Para a Oxigênio, esse modelo reforça o compromisso de contribuir para o desenvolvimento das startups permitindo que, pela ligação com a Porto Seguro, as empresas tenham a possibilidade de negócios em diversas áreas de atuação, como seguros, consórcios, soluções financeiras, cartões, saúde, serviços residenciais, serviços para pet, segurança, monitoramento e serviços automotivos”, diz Mauricio.

Mauricio explica que alguns dos segmentos de startups que são atrativas para o programa e podem ser selecionadas são: seguros, consórcios, soluções financeiras, cartões, saúde, serviços residenciais, serviços para pet, segurança, monitoramento e serviços automotivos. “Mas o foco também será dado em algumas tecnologias, como inteligência artificial, carteiras digitais, blockchain em seguros, engajamento de clientes móveis, seguros on demand, sinistros em contato, smartcontracts, IoT para controle de equipamentos e CRM para corretores e corretoras”, explica.

Em quase quatro anos de existência, a Oxigênio já recebeu mais de oito mil inscrições para o programa. Ao todo, 32 empresas já concluíram o programa e outras três ainda estão em processo de aceleração, totalizando 35 investimentos. “Nesse processo, as startups aceleradas tem se tornado parceiras da Companhia em diversas soluções, como análise de dados, sistemas de monitoramento, facilidades a processos dos segurados, além de melhorias dos processos internos para melhorar ainda mais o que oferecemos aos clientes.”

As inscrições estarão abertas a partir desta quinta-feira, dia 16, e vão até dia 23 de junho. O primeiro ciclo de aceleração deste novo modelo acontecerá entre setembro e dezembro de 2019, presencialmente, na sede da Oxigênio, em São Paulo.

Publicação Original


0 comentário

Deixe uma resposta