Em um país com uma alta carga tributária como o Brasil, empresas que contam com um planejamento tributário elaborado saem na frente na hora de pagar impostos.

Isso porque a falta de informação custa caro: o desconhecimento das regras fiscais pode comprometer seriamente o fluxo de caixa das empresas e consequentemente afetar a saúde financeira do negócio.

Para o professor Felipe Dutra, coordenador do MBA em Planejamento Tributário do IAG – Escola de Negócios da PUC-Rio, o profissional especializado permite que a empresa lide de forma eficiente com os custos gerados pelos tributos. “A atuação do profissional gera vantagem competitiva e rentabilidade. Além disso, o especialista em planejamento tributário faz com que a empresa repense constantemente suas estruturas e operações, gerando inovações que impactam de forma positiva não apenas na área tributária da empresa, mas também nas demais áreas”.

“O mercado de planejamento tributário está em franca expansão. Com a modernização do fisco, muitas empresas foram obrigadas a se regularizar. Além disso, a crise obrigou muitas empresas a reduzirem custos e recorrerem ao planejamento tributário como uma alternativa eficaz de otimização de custos”, destaca Dutra.

Abaixo, Felipe Dutra lista os principais erros que as empresas cometem:

1 – Realizam o planejamento tributário sem a adoção de um substrato econômico adequado.

2 – Adotam condutas antiéticas que afetam a imagem da empresa e o relacionamento com o cliente.

3 – Não se preparam para possíveis mudanças legislativas que podem ocorrer ao longo da adoção do planejamento tributário.

4 – Focam apenas na economia tributária, esquecendo possíveis exposições patrimoniais que o cenário proposto pode gerar.

5 – Adotam modelos de planejamento tributário que engessam o planejamento estratégico da empresa.

Originalmente publicado neste site

Ronaldo Faria Lima
Desenvolvedor de software há 23+ anos. Escreveu software para indústrias diversas, como telecomunicações e hospitality, em sistemas que variam de aplicações de missão crítica a sistemas embarcados em plataforma móvel celular.

Publicação Original


0 comentário

Deixe uma resposta