Um dos grandes desafios enfrentados pelas empresas está relacionado à retenção de talentos. De acordo com a pesquisa do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), divulgada em 2019, a taxa de rotatividade global de trabalhadores registrados em regime CLT varia, historicamente, entre 52,4% e 64,5%. Isso significa que mais da metade dos postos de trabalho são “renovados” anualmente.

Estudos demonstram que essa alta no turnover — termo usado para designar a rotatividade de profissionais nas companhias — está ligada, principalmente, à falta de engajamento entre os profissionais. E engajamento não quer dizer ideias iguais. “Um ambiente pobre de ideias é aquele em que todos têm a mesma visão, por isso, as diferenças, quando bem trabalhadas, são riquíssimas para a empresa”, explica Gabriela Mative, responsável pela divisão de recrutamento e seleção de média e alta gestão da consultoria Luandre.

Na década de 1920, William Marston, PhD em Psicologia pela Universidade de Harvard, elaborou a metodologia DISC, que divide as reações emocionais dos seres humanos em quatro tipos comportamentais: Dominance (Dominância), Influence (Influência), Steadiness (Estabilidade), Conscientiousness (Cautela).

Metodologia DISC

Gabriela alerta que todos possuímos um pouco das quatro características, mas há sempre uma dominante. “Importante notar que não existe nenhum perfil melhor que outro, apenas um mais adequado à determinada função. A união de todos no ambiente de trabalho propicia uma dia a dia muito mais produtivo”, conclui. Conheça a seguir as principais características de cada um desses perfis.

  1. Dominância: O profissional desse grupo está em busca constante por desafios e, principalmente, por apresentar um trabalho eficaz, com resultado imediato, por isso, o foco principal está nos resultados;
  2. Influência: Movido por grande liberdade de criação e criatividade aguçada, esse profissional tem como foco estimular cada vez mais o relacionamento interpessoal com seus colegas. Busca a frequente troca de ideias para se manter inovador;
  3. Estabilidade: A palavra “arriscar” não existe no vocabulário deste perfil. Aqui os padrões são muito altos e o foco é a eficiência, por isso, exige constância nas ações e busca inesgotável pela precisão;
  4. Cautela: Importante aqui é a segurança de que o trabalho será entregue, inovando ou não, desde que esteja completamente de acordo com o que foi solicitado. Por isso, preza pela colaboração de todos os envolvidos.

Originalmente publicado neste site

Ronaldo Faria Lima
Desenvolvedor de software há 23+ anos. Escreveu software para indústrias diversas, como telecomunicações e hospitality, em sistemas que variam de aplicações de missão crítica a sistemas embarcados em plataforma móvel celular.

Publicação Original


0 comentário

Deixe uma resposta