Juliano Tubino, VP de Negócios da TOTVS, subiu ao palco da Startup Summit 2019, que aconteceu na última semana, para falar sobre estratégia de negócio e os novos desafios “techfin” da companhia, uma das maiores empresas de tecnologia do Brasil.

A história da TOTVS é repleta de conquistas marcantes. A companhia brasileira, fundada em 1983, começou a partir de um novo mercado. Em 1989, já havia criado o primeiro sistema de distribuição de software no Brasil, de norte a sul. Em março de 2006, foi o primeiro IPO de uma empresa de tecnologia da América Latina. Em 2010, após 27 anos de mercado, atingiu a marca de R$1 bilhão de receita.

Juliano diz que a história da companhia é definida por quatro pilares: “dividir para aumentar” (o que faz com que a TOTVS continue apostando em diversas verticais); “relevância” (manter o cliente como protagonista é o sucesso do negócio); “keep swiming” (jamais deixar de se atualizar e acompanhar as tendências de mercado). Por fim, “arrisque, falhe e aprenda”.

“Em vez de ‘fail fast’, eu prefiro acreditar no ‘learn first’. Se você falha mas não aprende, você está só falhando. É preciso ter memória para o erro e saber identificá-lo para que não ocorra de novo”, diz.

Techfin

Hoje, a TOTVS está em busca de se tornar a primeira “techfin” do país. Ao contrário das fintechs, que são empresas que oferecem produtos financeiros e utilizam tecnologia como viabilizador, a TOTVS pretende explorar novas receitas que agreguem mais valor ao ERP por meio da democratização de serviços financeiros.

“Quase todos os produtos financeiros são disparados ou suportados por uma rotina de gestão. Nada mais justo que embedar produtos financeiros nessa rotina. Receita clara de sucesso? Longe disso, mas a gente tem que se desafiar.”



Para exemplificar um mercado onde a TOTVS pode automizar os processos com serviços financeiros, ele cita o pagamento de mensalidades escolares. “Hoje, a maioria das escolas ainda cobra por boleto. Em mais de 66% das escolas, existe o Portal do Aluno. Por que não colocar, ali, uma forma de pagamento?”. O objetivo é construir uma ponte entre os clientes da companhia e quem oferece serviços financeiros.

Em maio, a TOTVS captou mais de R$1 bilhão com emissão de ações na Bovespa. Juliano diz que um dos objetivos desta captação é construir capabilities para a vertical techfin. O que significa que pode haver aquisição de startups ou outras empresas para ajudar a construir este novo braço financeiro da companhia em breve.

Publicação Original


0 comentário

Deixe uma resposta