No dia 30 de agosto, praias do litoral paraibano foram inundadas por imensas manchas de petróleo. Agora, mais de 40 dias depois, todos os estados da região Nordeste tiveram praias manchadas pelo óleo, em mais de 60 cidades. Dezenas de animais marinhos já foram encontrados mortos nestas praias, e toneladas de petróleo já foi retirado da água, mas o problema ainda parece longe de ter um fim.

Para ajudar a resolver este, que já é considerado o maior desastre ambiental do país em extensão territorial, a Biosolvit – startup brasileira de biotecnologia – fez um vídeo demonstrando a eficácia do absorvedor de petróleo, se colocando à disposição para ajudar entidades e empresas a recuperar as praias nordestinas.



O STARTUPI bateu um papo com Guilhermo Queiróz, CEO e fundador da empresa, para entender melhor sobre a solução e como tudo começou.

Em maio, a empresa brasileira foi reconhecida como uma das melhores startups do mundo durante a premiação Startup World Cup Global Pitch Competition & Conference. Lá, Guilhermo Queiróz teve a oportunidade de mostrar o absorvedor de petróleo mais eficiente do mundo – de acordo com o Instituto Cedre.

A startup desenvolve biotecnologia aplicada ao desenvolvimento de novos materiais, utilizando resíduos de lavouras e até dejetos industriais para criar novos materiais “que ajudam o ser humano a viver em maior harmonia com o meio ambiente”, explica o CEO. “Os nossos produtos são destinados à preservação ambiental, então nós podemos nos classificar como uma empresa da economia circular.”

Início da carreira

Aos 44 anos hoje, Guilhermo começou a empreender ainda jovem. Aos 21 anos, já tinha dois negócios abertos em áreas distintas. O objetivo era “cuidar do meu próprio destino. Eu sempre achei que o empreendedorismo era uma forma de governar a sua própria vida”, explica.

Logo nos primeiros anos destes negócios, entretanto, ele percebeu que estas empresas não tinham capacidade de escala, ainda que ele não soubesse direito os termos para explicar o que era isso. “Eu não entendia o que era escalar naquele momento, mas eu sabia que meus negócios eram circunscritos a um determinado território e, principalmente, que sofriam uma concorrência muito feroz.”

Decidido a procurar profissionalmente outros desafios, Guilhermo deixou para trás estas empresas, que estão ativas até hoje, sendo tocadas por outros empreendedores. “Logo na sequência eu fui procurar um emprego, porque não me restavam muitas alternativas a não ser isso, e acabei vindo trabalhar na antiga Microsiga, na região onde eu nasci, que é a região sul-fluminense. A Microsiga tinha acabado de inaugurar em 1999 uma operação no interior do estado do Rio de Janeiro e eu percebi que para recomeçar minha carreira trabalhando ali seria interessante”, diz.

Na época a Microsiga – que se tornaria a TOTVS no futuro – ainda era uma empresa pequena, com atuações mais expressivas na cidade de São Paulo, mas pouco conhecida no resto do país. Dois anos depois, a companhia estava passando por dificuldades e Guilhermo acabou tomando para si as responsabilidades de trazer novos clientes e tocar a operação. “Assim, eu acabei sendo convidado para ser sócio e me tornei parte da gestão da empresa”. Aos 25 anos ele entrou para o time da empresa e, aos 27, já conduzia uma operação da TOTVS.

De palmitos em conserva ao petróleo

Após alguns anos tocando as operações da TOTVS em Santos, São José dos Campos e Volta Redonda, Guilhermo se sentia assombrado pela possibilidade de ter que abrir mão do cargo na empresa no futuro. “Eu acabei percebendo que eu teria que ter um plano B, um outro negócio para, quando eu deixasse de conduzir a operação da TOTVS, eu pudesse me dedicar.”

Quando decidiu ter um plano B, ele foi atrás de um mercado que já conhecia há anos: seu pai trabalhou por muitos anos em uma fábrica de palmito em conserva e, por ter acompanhado a pujança daquele negócio nos anos áureos, ele começou a amadurecer a ideia de montar uma fábrica dessas para si.

A ideia começou a tomar corpo a partir de 2008, até que em 2013, após um período de mudanças pessoais, o sonho de voltar a empreender voltou com força total e ele foi pesquisar o que era preciso para montar uma fábrica. “E aí, conhecendo mais o negócio, eu descobri que palmeira era muito pouco aproveitada para fazer o palmito em conserva: apenas 3% da palmeira é aproveitada, os outros 97% são jogados fora.”

Descobrindo petróleo

Biosolvit, startup que desenvolveu um absorvedor de petróleo reconhecido mundialmente, recebe premiação

Por conta desse desperdício de biomassa, Guilhermo teve a ideia de reaproveitar esse resíduo para fazer outros produtos. “No primeiro momento, a ideia não era criar uma empresa exclusiva para isso, era simplesmente agregar a utilização dessa biomassa à fábrica de palmito, mas no segundo momento, em 2014, quando conheci o Wagner, que tinha inventado o absorvedor à partir da fibra da palmeira, eu percebi que fazia sentido ter uma empresa só focada em biotecnologia aplicada.”

O Wagner que Guilhermo cita é Wagner Martins, pesquisador, sócio e diretor-comercial da Biosolvit. Quando ainda estava amadurecendo a ideia que envolvia os resíduos da palmeira, Guilhermo começou a pesquisar, de universidade em universidade, se havia alguma solução que pudesse ajudá-lo com este material. “Em uma dessas, um aluno estava criando um absorvedor de petróleo feito a partir dessa fibra. A princípio eu não entendi muito bem qual seria o potencial desse negócio e, para falar a verdade, fiquei muito receoso. Eu não imaginava que alguém ainda não teria inventado um absorvedor de petróleo eficiente ou natural, ou alguma coisa assim no mundo.”

A solução 

A Biosolvit hoje possui seis patentes e está em fase de registro de mais cinco. O produto que projetou a startup para os resultados que está tendo mundialmente, entretanto, é o absorvedor de óleos e derivados – inclusive vegetal –, que é considerado hoje a solução mais eficiente do mundo para absorção de petróleo.

Além de ser considerado o mais eficiente, o produto é natural, hidrofóbico, e permite o reaproveitamento de até 95% do material absorvido, segundo o CEO. “A gente consegue retirar o petróleo do mar ou da terra, em casos de acidente ou mesmo em caso de tratamento de uma água contaminada, e reaproveitar esse petróleo. Nosso produto alia sustentabilidade, por ser um produto natural, com alta eficiência.”

O custo-benefício do produto brasileiro também chama a atenção. Guilhermo afirma que 1kg do produto orgânico absorve até 22 kg de petróleo em 15 minutos, enquanto um concorrente sintético pode absorver 13 kg de petróleo a cada kg de produto, em 30 minutos. “Então nosso produto é 2 vezes mais eficiente e usa só a metade do tempo”, afirma.

Investimentos

A startup já captou mais de US$5 milhões – ou pouco mais de R$20 milhões – para desenvolver as duas linhas de produtos da empresa – Biogreen e Bioblue, entre capital de investidores e dos próprios sócios. O aporte mais recente foi do family office MCLC4, de Laércio Cosentino, fundador da TOTVS. As empresas não abrem o valor do aporte.

Para Guilhermo este investimento traz uma felicidade especial, por já ter trabalhado, direta ou indiretamente com Laércio, por mais de 20 anos. “Quando você consegue trazer para dentro do board da sua startup um investidor que te conhece, que trabalha contigo, que viu seus resultados durante décadas, isso fala muito alto, porque fala não só a respeito do seu negócio, mas também da entrega que você é capaz de dar. Isso pra mim é motivo de muito orgulho e eu sou muito grato ao Laércio e pelo trabalho que nós vamos desenvolver juntos a partir de agora”, explica.

Premiações

Como mencionado no início desta reportagem, a startup ficou entre as 12 finalistas do prêmio Startup World Cup 2019, organizado pela Fenox Venture Capital. Participaram da competição cerca de 30 mil startups de 40 países. Mas este não foi o único reconhecimento recebido pela Biosolvit. Nos últimos anos, foram diversas premiações.

De lá para cá, a startup foi selecionada para uma missão do StartOut para Paris, e lá tiveram a oportunidade de fazer pela primeira vez um pitch para investidores. Depois, chegou a vez de realizarem um pitch no Fórum Mundial da Água. A primeira competição que venceram foi a Atlantic Awards, o prêmio que levou a empresa ao Web Summit do ano passado.

Biosolvit, startup que desenvolveu um absorvedor de petróleo reconhecido mundialmente, recebe premiação

Ainda venceram o Bio Latin America, um desafio da NTT Data, e outro na Câmara Brasil-Alemanha – por duas vezes! Também conquistaram um desafio da BASF, “um prêmio que deixou a gente muito feliz, que foi o Prêmio Paris de Inovação na categoria Sustentabilidade. A gente venceu essa categoria e brigou entre os 10 finalistas de uma competição internacional”, diz o CEO. Venceram também um Grand Prix de uma categoria de inovação em Viena, e depois foram agraciados com um prêmio Mérito Ambiental da FIESP, “que nos deixou muito orgulhosos”.

Além de absorção de petróleo, um mercado em expansão

O maior cliente da startup hoje, na área de produtos para absorção de petróleo, é a Vale. A startup atende também nomes como a Companhia Siderúrgica Nacional, Terrana e Petrobrás. “E a gente tem algumas empresas que estão abrindo as portas para a gente, dentre elas a Ipiranga e a Raízen”, conta.

A startup espera fechar 2019 com um faturamento entre US$300 mil e US$400 mil. O valor baixo se dá por um bom motivo: o investimento nas fábricas próprias, que permitirá a produção de seis toneladas de absorvedores, 44 mil metros de barreiras de contenção, 16 mil vasos e 10 a 12 mil sacos de terra vegetal mensalmente. Para 2020, já com as fábricas em pleno funcionamento, o faturamento deve chegar a R$9 milhões.

Para Guilhermo, as startups de biotecnologia no Brasil têm grandes desafios para enfrentar. “Uma startup de biotecnologia é uma startup diferente, que requer um investimento muito grande antes de faturar. Pesquisa de bancada é caro, investimento em pesquisa é caro, então já não é simples ser uma startup. Ser uma startup de biotecnologia é mais difícil ainda”, afirma.

O acesso ao mercado, para ele, é o maior entrave para estes empreendedores. “No caso de uma startup de biotecnologia, é óbvio que o desafio maior é funding, é ter grana para botar o negócio em pé, mas também tem o desafio que é o acesso ao mercado da tecnologia. Muita gente sabe desenvolver um bom produto, mas pouca gente sabe colocar um bom produto no mercado.”

Para o próximo ano, a startup pretende desenvolver novos produtos, escalar e criar novos materiais que possam fazer a diferença na vida das pessoas. “A gente acredita sinceramente que a colaboração entre pesquisadores, em um ambiente muito bem direcionado, muito focado na preservação e melhoria da vida, e na relação do ser humano e do meio ambiente, a gente acredita muito que produtos assim têm apelo e têm potencial de mercado”, diz.

Sobre os produtos das linhas da startup, Guilhermo afirma: “as pessoas sempre me perguntam ‘qual o melhor produto de vocês? Onde você aposta suas fichas?’ Eu sempre respondo com uma certa brincadeira, que eu gosto de fazer, que é ‘o melhor produto da Biosolvit é o próximo. É o que a gente ainda está fazendo, é o que a gente ainda vai criar’”.

Publicação Original


0 comentário

Deixe uma resposta