Apesar das mudanças ocasionadas pela crise ocasionada pelo novo Covid-19, a clínica veterinária e pet shop É O Bicho, que fica localizada na capital alagoana, Maceió, e na cidade de Arapiraca, tem conseguido se adaptar ao novo contexto de consumo

Com a passagem do novo coronavírus, muitas empresas tiveram de fechar as portas temporariamente ou até mesmo de forma definitiva. Apesar das mudanças ocasionadas pela crise no  comportamento do consumidor e das medidas de distanciamento social adotadas para conter o avanço da Covid-19, a clínica veterinária e pet shop É O Bicho, que fica localizada na capital alagoana, Maceió, e na cidade de Arapiraca, tem conseguido se adaptar ao novo contexto de consumo.

De acordo com a médica veterinária e proprietária da empresa, Fabrícia Omena, a principal dificuldade enfrentada, neste período de pandemia, foi a redução do número de clientes. “No começo foi muito difícil porque os clientes deixaram de ir e tivemos medo de como iria ficar o mercado. Então, demos férias a alguns funcionários e tivemos de fechar uma das quatro lojas e demitir os funcionários que trabalhavam nela”, relata.

Ainda conforme a empresária, para adaptar o negócio às novas necessidades de consumo, a empresa passou a realizar atendimentos e a entregar produtos na casa do cliente. “Inicialmente, estudamos o cenário para saber o que poderíamos modificar para melhorar o movimento e o faturamento. Então, a gente disponibilizou alguns serviços que não existiam antes, como atendimento em domicílio, consulta em domicílio e entrega de mercadorias em domicílio, por meio de pedidos de clientes”, informa.

“Além disso, a gente faz todo o controle preventivo. A gente vai de máscara, usa luva, touca e roupa descartável para que as pessoas, sobretudo as que estão nos grupos de risco, não se contaminem. Também coloquei álcool 70% em todos os pontos e o número de funcionários doentes foi muito baixo nesse período”, acrescenta.

Atualmente, a empresa disponibiliza os serviços de pet shop, estética animal, emergência, laboratório 24h, consultas, UTI, hospital 24h e hotel, além de diversos produtos para cães e gatos como ração, brinquedos e medicamentos. “A gente conseguiu a mudança de atendimento e a partir dela manter o faturamento. Teve uma queda grande no começo, mas depois desse susto inicial da clientela e que eles perceberam que a gente estava se preocupando com a higiene do ambiente e dos funcionários, a gente começou a manter o funcionamento e não teve tanta alteração no faturamento”, explica a empresária Fabrícia Omena.

A proprietária da É O Bicho acredita que as novas exigências do consumidor não são passageiras e, por isso, foi em busca das consultorias do Sebrae em Alagoas para começar a investir nas estratégias de marketing digital e, consequentemente, continuar alavancando as vendas do negócio. “O Sebrae é muito presente na vida da nossa empresa desde o começo. Eu sempre tive o apoio do Sebrae em tudo, seja no atendimento, seja na gestão financeira. Agora, na pandemia, eu busquei algumas alternativas para marketing digital e já estamos finalizando as consultorias. Acredito que, depois desse susto da pandemia, o ‘novo normal’ estará muito direcionado às compras online”, ressalta.

Marketing digital

Segundo o gerente da Unidade de Relacionamento Empresarial (URE) do Sebrae em Alagoas, Marcos Alencar, a busca por soluções no segmento do marketing digital tem sido recorrente durante a pandemia. “As empresas estão se reposicionando no mercado. 60% das empresas estão mudando para atender de forma digital, o que vem garantindo sua linha de faturamento dentro de um patamar equilibrado, com perspectiva de crescimento para alguns setores”, coloca.

“No caso particular da É O Bicho, o Sebrae Alagoas tem apoiado a empresa com as consultorias que orientam no processo de retomada, como as do programa Sebrae Ad@pte, onde o cliente, gratuitamente, tem consultoria de gestão financeira, reposicionamento de marketing, inovação e biossegurança”, complementa o gerente.

Publicação Original


0 comentário

Deixe uma resposta