Sebrae incentiva pequenos negócios a se inscreverem até 15 de setembro na iniciativa da Folha de S.P e Fundação Schwab

Os pequenos negócios de impacto social que estão atuando no combate aos prejuízos causados pelo coronavírus (covid-19) têm uma oportunidade de ganhar visibilidade nacional e internacional com a edição especial do Prêmio Empreendedor Social 2020. A iniciativa, promovida pela Folha de S.P, em parceria com a Fundação Shchaw, é considerada o principal concurso de empreendedorismo socioambiental da América Latina. Neste ano, o foco será o enfrentamento da desigualdade e dos efeitos negativos da Covid-19, bem como a busca de respostas às novas demandas da sociedade em transformação.

Ao todo, a premiação vai reconhecer 30 iniciativas em três categorias: Ajuda Humanitária, Mitigação dos Impactos e Legado Pós-Pandemia. Além das iniciativas que tiveram atuação destacada para minimizar os efeitos da Covid-19, especialmente entre populações mais vulneráveis, o concurso também vai reconhecer soluções inovadoras em áreas estratégicas, como: saúde, educação, mobilidade, entre outras; assim como contribuições para a retomada e legados como aceleração no uso de tecnologia, influência em políticas públicas e ganhos em eficiência e gestão.

Os empreendedores interessados em participar têm até o dia 15 de setembro para realizarem a inscrição no site da premiação. Nesta edição, não haverá a eleição de um vencedor por categoria, mas uma lista dos 10 destaques em cada grupo. O concurso oferece prêmios que somam mais de 400 mil reais, com bolsas de estudo em instituições como Harvard, Fundação Dom Cabral e ESPM, além de participação em fóruns nacionais e internacionais, programas de aceleração e mentoria, entre outros benefícios. O anúncio dos finalistas será em novembro deste ano.

Desde o início do avanço da pandemia no país, o Sebrae tem intensificado as ações para estimular, atender e apoiar os empreendedores de negócios de impacto social que buscam agregar uma nova dimensão ao ambiente empresarial, de forma sustentável e com ganhos coletivos, principalmente neste momento de crise.

De acordo com a analista do Sebrae, Valéria Barros, muitas micro e pequenas empresas aproveitaram para fazer uma remodelagem dos seus modelos de negócio, para atender essas lacunas que surgiram durante a pandemia.

“São modelos de negócios transversais que podem ser desenvolvidos tanto por startups, como também por negócios mais tradicionais que trazem em seu DNA essa pegada de buscar lucro, como toda empresa, mas ao mesmo tempo propor soluções para problemas da sociedade”, explicou. 

Somente de janeiro a julho deste ano, a procura pelo curso online do Sebrae sobre como criar um modelo de negócio de impacto socioambiental alcançou quase 16 mil inscrições, o número é aproximadamente o total de matrículas realizadas em todo o ano passado. Para ter acesso ao curso, basta se inscrever gratuitamente clicando aqui

Publicação Original


0 comentário

Deixe uma resposta