Estado foi o décimo a receber a iniciativa do Ministério da Economia para aumentar a produtividade e gerar emprego e renda

O Ministério da Economia, em parceria com o Sebrae e a Federação das Indústrias do Espírito Santo (FINDES), lançou nesta sexta-feira (16/10), em Vitória/ES, o programa Mobilização pelo Emprego e Produtividade – série de encontros com empresários, instituições, governos estaduais e municipais, parlamentares e potenciais empreendedores, com o objetivo de mapear os principais entraves ao desenvolvimento econômico.

Para o diretor de Administração e Finanças do Sebrae, Eduardo Diogo, o Brasil vive nesse momento o maior desafio coletivo da atual geração de gestores públicos. “A pandemia nos trouxe uma série de reflexões, mas a principal dela talvez seja a compreensão de que fazer muito não significa fazer o suficiente”, comenta o diretor. “Nós do sistema Sebrae estamos fazendo muito, mas tempos o entendimento de que é preciso fazer mais. A melhor forma de medir a eficiência de uma organização, se faz pela mensuração do desempenho do seu público-alvo. O público do Sebrae são os mais de 17 milhões de heróis que empreendem nesse país, apesar de todas os obstáculos”, comenta Eduardo Diogo. O diretor salientou que o principal objetivo de todo o Sebrae, nesse momento, é levar à frente uma gestão atenta ao legado. “Para isso, estamos trabalhando no aperfeiçoamento da nossa cultura organizacional, na melhoria de todos os aspectos da gestão, para entregar mais e impactar o nosso público, que são os donos de pequenos negócios”, acrescentou.

Para o secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos Da Costa, o objetivo do programa é duplo. Primeiro, apresentar o que o governo federal está fazendo para melhorar o ambiente de negócios no país; e também mobilizar o setor empresarial e os setores privado e público para que trabalhem juntos.

“Quem gera emprego não é o governo. Quem gera emprego e renda de forma sustentável é o setor privado, são as empresas. O que nós fazemos com essa mobilização é retirar os obstáculos para que a atividade econômica floresça e apoiar naquilo que o governo federal puder apoiar”, disse o secretário.

Carlos Da Costa afirmou que muitas ações já foram implementadas para aumentar a produtividade e a competitividade no país. E acrescentou que grande parte do que ainda precisa ser modificado está nos níveis subnacionais, ou seja, nos governos estaduais e municipais.

“Vamos aprender juntos. Nós estamos aqui para ajudar e respeitar as escolhas de cada estado e município e para conclamar o setor produtivo para se unir com o governo local e governo federal. Unir Executivo e Legislativo em busca de um Brasil mais próspero, que tenha mais produtividade e emprego para todos os nossos cidadãos”, disse.

Programas estratégicos

Durante o lançamento, Carlos Da Costa apresentou oito programas estratégicos que estão sendo elaborados pela Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia (Sepec/ME) na agenda da produtividade, com o objetivo de fazer o país avançar na recuperação da economia.

São quatro medidas para melhorar o ambiente de negócios (Redução do custo Brasil, Concorrência para prosperidade, Grande desregulamentação e Programas regionais e setoriais) e quatro para o programa Brasil do Amanhã (Brasil 4.0, Prospera MPEs, Emprega Mais e Investimentos em Infraestrutura). Mais informações sobre os programas estão disponíveis na cartilha do Mobilização pelo Emprego e Produtividade.

Também foi apresentado ao setor produtivo o aplicativo Mobiliza Brasil, canal pelo qual qualquer cidadão pode sugerir melhorias para o ambiente de negócios em sua localidade. A ferramenta, disponível nas lojas Apple Store e Google Play, permite reunir sugestões e organizar dados que servirão de subsídios para a elaboração de políticas públicas.

Publicação Original


0 comentário

Deixe uma resposta