Uma parceria entre a Braskem e AlpFilm deu origem ao PVC ALPFilm Protect, um plástico filme transparente de PVC com micropartículas de prata e sílica capaz de inativar 79,9% do novo coronavírus em três minutos e 99,99% em até 15 minutos. O produto já está disponível ao mercado, é normalmente utilizado para embalar alimentos como carnes, frutas e frios e agora ganha mais possibilidades de aplicação, como proteção de superfícies.

A equipe de Engenharia de Aplicação de Vinílicos da Braskem apoiou a AlpFilm no desenvolvimento da formulação que dá origem ao filme, maximizando o potencial de proteção contra fungos e bactérias, e alcançando a função virucida – ou seja, capaz de eliminar vírus. Em um segundo momento, o filme plástico recebeu adição de prata e sílica a partir da tecnologia desenvolvida e licenciada pela empresa paulista Nanox com apoio do Programa FAPESP Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE).

Os testes para comprovar a capacidade da embalagem plástica de eliminar o SARS-CoV-2, vírus que provoca a covid-19, foram conduzidos pelo laboratório de biossegurança de nível 3 (NB3) do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP) e de acordo com de com a ISO 21702:2019, norma técnica de medição da atividade antiviral em plásticos e outras superfícies não porosas.

Para a Braskem, a eficácia reforça mais uma vez relevância do plástico em iniciativas que visam a saúde e a segurança da sociedade. “O plástico tem sido um grande aliado da população no enfrentamento da pandemia do novo coronavírus. As soluções em PVC viabilizam a produção de uma série de itens essenciais, que vão desde produtos médico-hospitalares até embalagens, que garantem a segurança alimentar, higiene e limpeza, entre outros, reforçando a luta contra a covid-19”, explica Almir Cotias, diretor do Negócio de Vinílicos da Braskem, área responsável pela produção da matéria-prima do filme de PVC ALPFilm Protect.

“O produto existe desde 2014 e já contava com propriedades antifúngicas e bactericidas graças à presença de micropartículas de prata, mas com a pandemia o submetemos a uma série de estudos para adequações em sua composição com o objetivo de assegurar sua eficácia antiviral, em especial contra o novo coronavírus. Diante dos desafios impostos pela covid-19, decidimos voltar nossas atenções para a pesquisa e desenvolvimento dessa evolução do produto para a inativação do novo coronavírus por contato”, explica Alessandra Zambaldi, diretora de Comércio Exterior e Marketing da Alpes.

Publicação Original


0 comentário

Deixe uma resposta