No novo cenário de integração de tecnologias, tem crescido o número de pessoas que não se contentam em ficar na zona de conforto e acreditam que podem impactar de forma positiva o mercado com novas soluções e modelos de negócios. Daí é que nascem as startups, fazendo jus ao nome, literalmente “começar algo novo”, são empresas que estão em fase inicial de desenvolvimento de produtos e serviços ou ideias inovadoras e que apresentam grande potencial de crescimento. Mas não basta só ter uma boa ideia, por trás das empresas de sucesso há uma estratégia sólida e muitas vezes parceiros comerciais que acreditam e investem no negócio.

Hoje, de acordo com a StartupBase, há mais de 13.400 startups e o ecossistema de inovação está cada vez mais consolidado. Por isso, a Fábrica de Startups, empresa brasileira de fomento à inovação, pontua que por mais promissora que seja a ideia de negócio, ela precisa ser desenvolvida, planejada e amadurecida para se tornar uma startup de sucesso. Antes de tudo, é preciso identificar um problema para oferecer a solução, prevendo as possíveis brechas no mercado para lançar o produto ou serviço. “Nessa primeira etapa, é importante pesquisar muito sobre as soluções semelhantes, compartilhar ideias com outros empreendedores, fazer pesquisas com seu público-alvo e, enfim, refinar sua proposta”, explica Hector Gusmão, CEO da Fábrica de Startups.

Criar uma startup do zero é diferente de começar uma empresa convencional. Enquanto os empreendedores tradicionais fazem um plano de negócio previsível antes de iniciar suas operações, os criativos partem de uma solução inovadora e a desenvolvem conforme recebem o feedback do mercado. “É a resposta dos clientes e investidores que determina o sucesso da startup, que começa apenas com uma hipótese e arrisca tudo para provar seu valor em um ambiente cheio de incertezas. Por isso, o primeiro grande passo é definir a persona, entender as dores que ela busca resolver e saber comunicar a solução”, explica o CEO.

Abrir uma startup significa se aventurar na gestão experimental, quase sempre usando a tecnologia como atalho e evoluindo constantemente o produto ou serviço de acordo com os feedbacks do público. Em resumo, os pilares necessários para uma startup promissora são:

Inovação: É o próprio DNA da startup, pois sua missão é encontrar soluções que ninguém havia pensado antes. Assim, toda startup tem como característica o diferencial competitivo no mercado, a partir de um modelo de negócio, produto ou serviço inovador

Escalabilidade: Um negócio escalável é aquele que pode crescer em um ritmo muito acelerado sem alterar o modelo proposto. Ou seja, a receita da empresa aumenta exponencialmente, mas os custos continuam praticamente os mesmos.

Potencial superior: O potencial de atingir grandes mercados com uma estrutura enxuta é um dos principais traços das startups. Com um capital inicial muito baixo, a empresa pode chegar a alcançar milhões de consumidores.

Flexibilidade: Em um cenário de incertezas, a startup precisa ser muito flexível para acompanhar as mudanças e lidar com os períodos de altos e baixos. A própria rotina dos colaboradores é muito dinâmica, pois a flexibilidade de horários e projetos é essencial para extrair o melhor de cada profissional.

Trabalho em equipe: Como as startups costumam ser pequenas, as equipes precisam ser muito unidas e trabalhar em absoluta sinergia. Geralmente, são profissionais de alto nível e multidisciplinares, que conseguem integrar todas as áreas da empresa e construir uma equipe sólida.

“A melhor forma de saber como abrir uma startup do zero é ter contato com outros empreendedores e participar do ecossistema de inovação. O network é imprescindível para iniciar uma Startup, daí podem surgir as oportunidades com incubadoras, aceleradoras, investidor anjo e quem sabe o primeiro grande aporte”, finaliza Gusmão.

Publicação Original


0 comentário

Deixe uma resposta