* Por Bruno Perin

Quantas vezes você pensou em uma ideia, ficou empolgado com ela, mas depois de um tempo veio a dúvida Será que isso é bom mesmo? Se você tem um pouco do tino do empreendedorismo, essa questão é totalmente essencial e válida, pois, uma boa ideia na sua mente ainda não sofreu testes, análises, nem nada, por isso, geralmente ela é tão linda e faz todo sentido.

Ideias incríveis não significam negócios incríveis

A primeira coisa que fica na mente é “como eu vou descobrir se vale investir ainda mais nessa ideia?”,  “vale me esforçar para ver o que ela pode gerar?”. Resolvi separar uma série de oito perguntas para te dar uma estrutura lógica mais adequada para fazer a avaliação, e ver se acreditar no que imaginou como um bom negócio é o correto.

#1 – Tem mercado?

Não adianta nada você criar algo e não ter um público para consumir. Jamais será um negócio se não tiver os pagantes. Portanto, avalie: qual é o potencial desse mercado que você vai atacar?

#2 – Está crescendo?

Às vezes o mercado é grande, mas está saturado e em queda, o que é um problema. Entrar com um negócio no ambiente que já tem muita gente comendo o bolo e as fatias ficando cada vez menores pode não ser uma boa ideia.

#3 – Como seria para as pessoas comprarem?

Como as pessoas vão fazer a transação com você, como elas vão pagar e receber essa sua solução? Às vezes existem questões complicadoras nessa negociação que inviabilizam a forma de fazer o negócio ou não é atraente no momento.

#4 – Como as pessoas vão usar?

O uso do produto/serviço faz você refletir bem sobre o quão bom ele é, o quão necessário e também tudo que abrangerá para você construir e entregar essa solução.

#5 – É um produto/serviço fim ou contínuo? 

A pessoa vai comprar uma vez e deu – e você terá que ficar despertando a necessidade dela novamente -, ou será uma compra em que ela continuará com você através de uma mensalidade, semestralidade ou anuidade? Isso ajuda a verificar o quão vale a pena o negócio.

#6 – O que você vai gastar para isso? 

Numa perspectiva inicial, o que você imagina que envolveria custos nessa ideia? Essa análise rápida ajuda a perceber o quanto estamos falando de investimento, o quão pesado é o seu projeto para rodar.

#7 – Como vai ganhar? 

Obviamente você está fazendo para ganhar algo, mas pensou bem em como seria? Quando as pessoas dedicam tempo à questão, percebem que a maneira de ganhar não é tão fácil ou adequada.

#8 – É um bom negócio? 

Depois de todas essas questões, você considera um bom negócio? O mercado que existe, para onde está indo, a forma de uso, venda, o que gasta e ganha… Com toda a honestidade, parece algo promissor?

Não confunda confiança com esperança

Se você percebeu que tem potencial e confia nisso, ótimo! É o necessário para encarar os próximos passos, mas muita gente, olhando bem, não quer ser honesto e dizer “não me parece tão bom”, e prefere simplesmente ligar o botão da esperança que vai dar certo… Isso é muito perigoso.

O bom da ideia é que você pode ir ajustando até achar algo que acredita e parece de potencial, aproveite isso e faça.

Esse vídeo ajuda muito no conteúdo:


Bruno Perin, um cara Free LifeStyle, empreendedor, consultor, palestrante e escritor. Autor do livro – A Revolução das Startups. Pioneiro na combinação dos conhecimentos em Startup, Empreendedorismo, Marketing e Comportamento Jovem alinhado a Neurociência. Busca das formas mais diferentes, malucas e inusitadas possíveis desenvolver pessoas e negócios que façam a diferença no mundo, de jeito divertido, valorizando a vida e o agora.

Publicação Original


0 comentário

Deixe uma resposta