Com o avanço da Inteligência Artificial, novas concepções de produção e de produtos começam a surgir, os robôs se tornam cada vez mais indispensáveis no mercado de trabalho e diferentes carreiras são criadas. De acordo com um relatório divulgado em dezembro pelo LinkedIn, das 15 profissões que mais crescem nos Estados Unidos, 10 são ligadas à tecnologia.

O estudo foi feito a partir da coleta de dados dos seus usuários, que possibilitaram a determinação de quais cargos apresentaram taxas de crescimento mais rápidas nos últimos cinco anos. Entre os destaques, o Engenheiro de Robôs aparece em segundo lugar.

Atualmente, o Centro Universitário FEI é a única instituição de Ensino Superior a oferecer graduação em Engenharia de Robôs no Brasil. De acordo com o professor Flavio Tonidandel, vice-reitor da FEI e coordenador do curso, essa profissão exige a capacidade de projetar, desenvolver e manter robôs na indústria, no comércio, na área de serviços e na casa das pessoas.

Além disso, a graduação em Ciência da Computação, também oferecida pela FEI, prepara os alunos para trabalharem como Especialistas em Inteligência Artificial e Cientistas de Dados, classificados na lista do LinkedIn como primeira e terceira profissão que mais tem crescido, respectivamente.

“O objetivo das nossas graduações é formar profissionais que tenham visão crítica, criativa e inovadora, baseados em pesquisas científica e tecnológica, conscientes de sua influência na prática profissional e impactos na sociedade e no meio ambiente”, comenta Tonidandel.

Confira a lista completa de profissões divulgadas pelo LinkedIn:

• Especialista em Inteligência Artificial;

• Engenheiro de Robôs;

• Cientista de Dados;

• Engenheiro Full Stack;

• Engenheiro de Confiabilidade de Site;

• Especialista em Sucesso do Cliente;

• Representante de Desenvolvimento de Vendas;

• Engenheiro de Dados;

• Técnico em Saúde Comportamental;

• Especialista em Segurança Cibernética;

• Desenvolvedor de back-end;

• Diretor de Receita;

• Engenheiro de Cloud;

• Desenvolvedor JavaScript,

• Product Owner.

Publicação Original


0 comentário

Deixe uma resposta