A Trybe, startup que oferece formação em desenvolvimento de software, acaba de adquirir a Codenation, empresa catarinense de educação e conexão com o mercado de tecnologia. O valor da transação não foi revelado.

Sempre atento e de olho no mercado, Matheus Goyas, CEO e cofundador da Trybe, passou a observar mais de perto a atuação da Codenation e foi depois de uma videoconferência realizada com Eduardo Varela, CEO e cofundador da Codenation – agora atual sócio da escola – que enxergou uma oportunidade de negócio.

Com a pandemia, a equipe da Trybe passou a trabalhar intensamente no esquema home office para garantir que os impactos do coronavírus fossem os menores possíveis para as pessoas que estudam e trabalham na escola. Sem se conhecerem pessoalmente, Matheus e Eduardo fizeram toda a negociação online.

“Ao longo de dezenas de conversas e reuniões, meus sócios e eu tivemos a convicção de que estávamos diante de um grupo de pessoas muito especiais e com muita capacidade de execução. Lembro de uma reunião que fizemos com todas as lideranças de ambas as equipes e a surpresa do quanto as culturas se identificavam estava explícita no sorriso de todos”, conta Matheus.

Para o empreendedor mineiro, a experiência de empregar pessoas de tecnologia em escala somada à qualidade da equipe da Codenation foram os pontos mais relevantes para que a união das duas empresas acontecesse.

Fundada em 2017, a Codenation formou milhares de pessoas, tanto em cursos presenciais quanto online – alocando no mercado, direta e indiretamente, centenas delas. Entre as empresas que contrataram profissionais estão grandes nomes, como Itaú, QuintoAndar, Banco Inter, Stone e a americana Loadsmart.

“Me impressionou a forma como a Codenation já tinha ajudado centenas de pessoas a serem contratadas e tudo isso com poucos recursos. Aqui na Trybe nós adoramos fazer mais com menos”, explica Goyas.

Para Eduardo Varela, a junção com a Trybe permitirá oferecer um serviço muito mais amplo à base de mais de 50 mil usuárias e usuários conquistada ao longo dos anos. “Ao nos tornarmos Trybe, poderemos contribuir de forma muito mais significativa com a carreira de quem está em nossa plataforma, formando do zero ao mercado, sem a necessidade de conhecimento prévio em programação – o que representava uma grande barreira dentro dos programas de formação da Codenation. Assim, conseguiremos atender especificamente uma expressiva parcela da nossa base, que até então não conseguíamos atender”, explica.

A mineira Trybe foi fundada em 2019 com a missão de gerar oportunidades às pessoas por meio de soluções educacionais de alta qualidade. Goyas explica que a parceria entre as duas empresas foi fundamentada em cima de dois pilares. O primeiro deles é “gente”: “Estamos recebendo uma equipe talentosa, que trabalha com empregabilidade em tecnologia desde 2017. Todas as pessoas da Codenation são fantásticas, com amplo expertise e domínio”.

O segundo pilar é “sucesso dos estudantes”. Um dos diferenciais da Trybe é o Modelo de Sucesso Compartilhado, em que a pessoa só paga a mensalidade do curso quando começar a trabalhar e ganhar uma renda mínima. Assim, a escola só tem sucesso se o estudante também tiver e vice-versa. “No início do trimestre, fizemos um compromisso com todas as pessoas que estudam na Trybe de reforçar nossa área de sucesso do estudante e aumentar os investimentos no nosso programa de Hiring Partner, que busca empresas parceiras para conectar com as pessoas que estudam aqui. Temos certeza que com a expertise do time da Codenation e as empresas que são parceiras teremos inúmeras novas oportunidades para oferecer para as pessoas que estudam na Trybe.”, conta Goyas.

Os programas de formação realizados pela Codenation, chamados de AceleraDev, deixarão de existir no formato atual. No entanto, aqueles programas que estão em andamento serão honrados pelas empresas até a sua conclusão total. Após esse período de transição, o novo time refletirá, em conjunto, sobre eventuais novas oportunidades, formações e conteúdos para que a empresa seja a primeira escolha para pessoas que queiram se preparar para profissões digitais na América Latina.

Publicação Original


0 comentário

Deixe uma resposta