* Por Juliana Amoroso 

A pergunta que deve rondar a cabeça do pequeno empreendedor neste momento é a seguinte: como consigo voltar a vender? Mesmo com o início da reabertura parcial do comércio em algumas regiões do país, apoiar-se apenas no alcance dos pontos de venda pode não ser suficiente para retomar os resultados. A acelerada transformação digital pela qual passamos nos últimos meses mudou a maneira de como fazemos negócios, de como trabalhamos e nos relacionamos.

Migrar para o online tem sido uma forma de o comércio manter suas atividades. Os supermercados, por exemplo, intensificaram as vendas pela internet, assim como em lojas de eletrodomésticos, móveis, roupas, calçados, utensílios domésticos e outros segmentos. Impulsionados pela necessidade, tivemos que nos reinventar no curto prazo.

Neste artigo, reuni dicas que podem ser úteis para melhorar o desempenho do seu negócio. Primeiro, experimente se colocar no lugar do cliente e entender de que forma as pessoas podem continuar recebendo seus produtos (ou serviços) com segurança sem sair de casa. É consenso que, mesmo após a pandemia, algumas mudanças no comportamento do consumidor vão persistir. Tenha isso em mente na hora de redefinir sua estratégia.

Uma pesquisa da Salesforce mostra que mais de 87% dos consumidores começam a jornada de compra fazendo buscas em canais digitais. As redes sociais, por exemplo, funcionam como um importante meio para alcançar seu público de maneira eficaz, tanto em termos de custo como de tempo, além de nos fornecerem dados e informações preciosas.

Confira a seguir 8 recomendações que acredito podem ajudar a sua empresa a se dar bem no universo online:

– Faça do seu site um canal simples e direto: pense na experiência do usuário e tente facilitar a navegação de quem acessa seu e-commerce. Tudo deve funcionar da melhor forma possível, de maneira intuitiva e descomplicada. O cliente precisa ter facilidades tanto para entrar na loja quanto para encontrar o que precisa. Disponibilize informações claras quanto à cobrança de frete, prazo de entrega e forma de pagamento. Nesse momento, ser transparente é ainda mais necessário.

– Esteja onde seu cliente estiver: acompanhe de perto a jornada do cliente nas condições atuais de pandemia e busque os pontos de contato mais eficientes. É provável que suas ações online sejam mais eficazes devido ao fechamento do comércio, mesmo na reabertura parcial. Estar presente nas redes sociais, criar um blog, ter um chat ou um e-mail para atendimento ajudam a ampliar seu alcance.

– Invista nas redes sociais: é onde a maioria da população passa seu tempo atualmente. Crie perfis nas redes sociais que se adaptem melhor ao seu negócio e elabore conteúdo que tenha valor para seu público. Isso gera tráfego e conversão. Publique com frequência e seja criativo, mas não comprometa a essência da sua marca tentando ser quem você não é. Mantenha os canais de comunicação sempre monitorados, sobretudo as redes sociais, interagindo e respondendo aos comentários de usuários. Uma mensagem respondida com rapidez pode significar uma nova venda.

Fique de olho em oportunidades: busque formas alternativas de divulgar sua empresa, faça parcerias com grupos de apoio e com pequenos empreendedores. a iniciativa Compre do Pequeno é um bom exemplo: lá você encontra empresas que podem te ajudar a criar sua loja online, divulga seu site, produtos e serviços, e ainda conta com a Visa para ajudar na comunicação.

Personalize a experiência do consumidor: trate cada cliente de maneira única, demonstrando atenção aos detalhes. Se possível, ofereça serviços adicionais como embalagens para presente, impressão de cartões ou algo que transmita a sensação de personalização.

Cuide da segurança de sua página: muitas pessoas que não tinham o hábito de comprar online estão experimentando pela primeira vez essa prática, mas a insegurança quanto a fraudes pode ser um fator limitante. Há diversas empresas que oferecem serviço de proteção ao site, análise de vulnerabilidades e bloqueio de ataques para garantir operações seguras. Uma solução prática para o pequeno comércio é o link de pagamento seguro. Você pode encontrar algumas empesas que ofertam essa solução na página da iniciativa Compre do Pequeno.

Capriche na logística: tão importante quanto o processo de finalização da compra é a logística que envolve a entrega do produto. O tempo de espera deve ser igual ou menor que o prazo acordado, e a mercadoria precisa chegar ao destinatário sem nenhum dano.

Cultive o relacionamento, mesmo a distância: procure cativar seu cliente. Após a venda, você pode fazer pesquisas de satisfação, enviando formulários para entender o perfil de consumo de cada usuário e ajustar suas ofertas de acordo com o resultado.

Espero que o conteúdo seja útil na retomada de suas atividades. Mesmo diante de tantos desafios e incerteza, já é possível detectar novos hábitos do consumidor. Olhar de perto esse cenário, visualizar as mudanças e aproveitar as oportunidades faz toda a diferença. E lembre-se que talvez seja preciso ajustar a rota para atingir suas metas.

* Juliana Amoroso é gerente de Soluções da Visa do Brasil.

Publicação Original


0 comentário

Deixe uma resposta