Decisão do Copom deixa crédito mais caro e empreendedores devem fazer boa gestão financeira para pagar futuras parcelas

Os donos de pequenos negócios que recorreram ao crédito ou que pretendem fazê-lo devem ficar atentos às movimentações macroeconômicas, como o aumento da Selic, realizada pelo Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central, alerta o Sebrae. Na última reunião do colegiado, a taxa passou de 4,25% para 5,25%. Além disso é possível que, em setembro, a Selic cresça mais um ponto percentual, o que irá impactar nos empréstimos atrelados a esse índice.

O analista de Capitalização e Serviços Financeiros do Sebrae Giovanni Beviláqua alerta que as parcelas dos empréstimos obtidos no Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe) também ficarão mais caros. “É possível que os empreendedores ainda não estejam percebendo esse impacto sobre o aumento das parcelas de pagamento devido às operações ainda estarem no período de carência, mas é importante lembrar que isso significa somente que, no período de carência, não há o pagamento das parcelas, mas o saldo devedor está sendo corrigido pela taxa de juros contratada, no caso do Pronampe, a Taxa Selic vigente mais 6% ao ano”, destaca o analista. Ele recomenda que aqueles que recorreram ao programa tenham um controle muito atento ao saldo devedor.

Apesar do contexto negativo, Giovanni ressalta que, mesmo com o aumento da Selic, o Pronampe continua sendo uma das melhores opções para os donos de pequenos negócios. “Haverá um impacto no valor das parcelas das operações; mas, mesmo com a alta da Selic e com o programa sendo atrelado a essa taxa mais 6% ao ano, os juros ainda são menores do que os cobrados em média no mercado financeiro, que giram em torno de 30% ao ano para os pequenos negócios. Ou seja, continua sendo uma das melhores opções de crédito”, ressalta o analista.

Segundo ele, os empreendedores devem acompanhar com atenção a sua gestão financeira e, caso necessário, solicitar aos bancos o saldo devedor dessas operações de crédito e acompanhar a evolução. “Essa é uma parte muito importante do controle financeiro. Mesmo que você não esteja pagando o empréstimo no momento, você deve colocar isso no fluxo de caixa para avaliar o pagamento das parcelas de todo o período do contrato”, ressalta Beviláqua. Ele também recomenda que se o empreendedor tiver um respiro, vale a pena avaliar se compensa antecipar o pagamento. “A minha dica para os empreendedores enfrentarem esse aumento é: atenção ao fluxo de caixa e uma boa gestão financeira. Além disso, o acompanhamento dos indicadores e movimentações macroeconômicas devem sempre estar no radar para aprimorar a gestão dos negócios”, finaliza.

Publicação Original


0 comentário

Deixe uma resposta