Programa seleciona propostas inovadoras para quem quer desenvolver seu negócio de bioeconomia na Amazônia

Os empreendedores que desejam atuar no empreendedorismo sustentável na região Amazônica ainda podem se inscrever para o Inova Amazônia. O programa prorrogou o período de inscrições (link) até o dia 19 de setembro. Com o objetivo de fortalecer a bioeconomia e criar startups da floresta, o Sebrae apoiará empreendedores e pesquisadores na criação ou desenvolvimento de pequenos negócios inovadores, a partir do uso sustentável dos recursos naturais da biodiversidade.

Inova Amazônia – Sebrae

As ações do Inova Amazônia – Edição Pará foram anunciadas durante a Campus Party 2021 e contarão com parcerias estratégicas com o governo do estado paraense, do Parque de Ciência e Tecnologia Guamá e apoio da União Europeia. As propostas podem ser feitas por pessoas físicas ou pessoas jurídicas, no caso micro e pequenas empresas que faturam anualmente até R$ 4,8 milhões.

De acordo com a analista de Inovação do Sebrae, Valéria Schneider, as inscrições foram prorrogadas para dar mais uma oportunidade para empresas e interessados com propostas inovadoras. Segundo ela, as únicas alterações no edital foram nas datas de inscrição e nas datas seguintes do cronograma. Todos os detalhes podem ser conferidos aqui (link).

WorldLabs – Inova Amazônia – Pará 

“Esse é um programa de aceleração com uma temática bem específica: bieconomia. Queremos atrair aqueles empresários, potenciais empreendedores ou pesquisadores de qualquer parte do país que tenham uma ideia de negócio inovadora na temática da bioeconomia. Estamos falando de qualquer setor econômico que use de maneira sustentável, insumos, ativos naturais da biodiversidade da Amazônia e que faça a transformação desses insumos em um produto ou serviço de alto valor agregado, sem destruir a floresta”, ressaltou a analista.

Entenda

Nessa edição do Inova Amazônia, o Sebrae está recebendo propostas de todo o país para diversos segmentos econômicos da bioeconomia como: alimentos e bebidas, fitoterápicos e nutracêuticos, construção, higiene, perfumaria e cosméticos, bioenergia, farmacêutico, farmoquímicos, novos materiais, além dos setores relacionados a logística e tecnologia da informação aplicada à bioeconomia.

Os projetos selecionados passarão por um período de pré-aceleração online, com duração de dois meses, quando os empreendedores ou pesquisadores terão a possibilidade de montar seu projeto de empreendimento. A segunda fase é o momento da aceleração, com duração de seis meses. Nesse momento, os participantes receberão uma intensa programação de conteúdos, mentorias, eventos de conexão com o mercado e com investidores. Além disso, nessa fase de aceleração, haverá uma bolsa de apoio ao empreendedor no valor de R$ 36 mil para que ela ou ele possam se dedicar integralmente ao programa. Por fim, a terceira fase é de apoio à internacionalização, em que os participantes terão acesso a conteúdos e orientação sobre como expandir o negócio para mercados fora do país.

Segundo Valéria Schneider, os planos do Sebrae são de expandir o Inova Amazônia para outros estados. “A previsão é que a partir do ano que vem lancemos a mesma estratégia pra outros biomas: Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica, Pampa e Pantanal; sempre respeitando os ativos naturais da biodiversidade de cada região, fazendo com que esses recursos naturais sejam capazes de gerar riqueza, mas de uma maneira sustentável e prezando pela conservação dos biomas”, conclui.

Publicação Original


0 comentário

Deixe uma resposta